Põe-me como selo sobre o teu coração, como selo sobre o teu braço, porque o amor é forte como a morte, e duro como a sepultura o ciúme; as suas brasas são brasas de fogo, com veementes labaredas. As muitas águas não podem apagar este amor, nem os rios afogá-lo; ainda que alguém desse todos os bens de sua casa pelo amor, certamente o desprezariam (Ct 8: 6-7; Fiel).

sábado, 14 de dezembro de 2013

Pequei, e daí? (Rev. Augustus Nicodemus)



Faz poucos anos tomei conhecimento de um escândalo, um caso de adultério, cometido por um pastor que também era professor de seminário teológico. O pastor vinha traindo a mulher, levando a amante para motéis. Ele foi apanhado somente quando pagou um motel com o cartão de crédito da própria esposa, que naturalmente descobriu tudo quando recebeu a fatura. Além desse detalhe escabroso, que mostra que o pecado cega a inteligência das pessoas, o que mais chocou a todos é que a liderança da sua igreja simplesmente o afastou do seminário por um breve período. No semestre seguinte, lá estava ele de volta ao seminário, dando aulas aos alunos, como se nada tivesse acontecido. O caso era de conhecimento geral, inclusive dos alunos. Que mensagem estava sendo passada para aqueles futuros pastores e líderes quanto à seriedade do pecado e da necessidade de se viver uma vida santa no ministério?

A falta do exercício da disciplina na Igreja sobre membros e líderes faltosos é consequência do conceito largamente difundido entre os evangélicos de que os crentes não são responsáveis por seus atos diante de outros, e especialmente, de que não dão conta de seus atos às igrejas das quais participam ou lideram.

Primeiro, há quem considere o exercício da disciplina como uma violação do mandamento de Jesus, “não julgueis para que não sejais julgados” (Mat 7:1). Essa interpretação é totalmente falsa. O julgamento que Jesus proíbe é o julgamento hipócrita, isto é, condenarmos os outros sem prestarmos atenção em nossos próprios pecados (veja versos 3-5). A prova que Jesus não estava fazendo uma proibição geral contra o julgamento se encontra nos versículos seguintes, quando Ele determina aos discípulos: “Não deis aos cães o que é santo, nem lanceis ante os porcos as vossas pérolas, para que não as pisem com os pés e, voltando-se, vos dilacerem” (Mat 7:6). Para que possamos obedecer a esse mandamento, temos de determinar quem é porco e quem é cão. Ou seja, temos que julgar. Além disso, foi o próprio Jesus quem determinou os passos para o exercício da disciplina na Igreja (Mat 18:15-17).

Segundo, para muitos a disciplina é uma violação do mandamento do amor. É considerada como falta de amor cristão para com o irmão caído. Essa interpretação falsa do amor cristão não leva em conta o ensino bíblico de que Deus disciplina exatamente aqueles que Ele ama (Heb 12:6; cf. Deut 8:5; Sal 89:30-34; 11975; Prov 3:12; 13:24; et alli). Fechar os olhos para o pecado do irmão não é amor. É ódio. É desejo de vê-lo afundar-se mais e mais no pecado.

Essas atitudes têm servido para que evangélicos vejam a disciplina como algo punitivo, injusto, vingativo e opressor, levando muitos a acharem que devem prestar contas de seus atos somente a Deus. E às vezes, nem isso.

Se esse estado de coisas não mudar, veremos o crescimento de uma geração de cristãos irresponsáveis, que não reconhecem seus erros e pecados, que desconhecem o valor e a necessidade da disciplina, e que não percebem a seriedade e a gravidade do pecado e suas conseqüências na vida do discípulos de Cristo e a importância de corrigir publicamente os pecados públicos, como Jesus corrigiu publicamente a mulher adúltera. Ele não a condenaria com pena de morte, como os fariseus desejavam, mas corrigiu sua vida imoral em público, dizendo “vá e não peque mais”.

3 comentários:

Anderson Andujar disse...

Paz meu queridos...
Exatamente isso, Disciplina na Igreja foi o tema do meu projeto de pesquisa para o TCC, e pergunta se foi bem visto...
Vivemos uma política de "fazer vistas grossas" em relação ao pecado de líderes cristãos, infelizmente...
Abs.... bom fim de ano pra vc e pra essa família linda que vc tem...

CORAÇÃO QUE PULSA disse...

Õ JESUS!!! DESÇA do CÉU e acabe logo com isso!!

As IGREJAS estão se PERDENDO no MUNDO de TUDO É POSSÍVEL.
Esquecendo do NEM TUDO ME CONVÊM.
JESUS AMADO!
DESÇA!
HOMENS SODOMA e GOMORRA travestidos em ANJOS de PAZ.
JESUS!...PERDOA-NOS...

Lucy Araújo disse...

Parabéns pelo texto!

Que neste Natal,
eu possa lembrar dos que vivem em guerra,
e fazer por eles uma oração de paz.

Que eu possa lembrar dos que odeiam,
e fazer por eles uma oração de amor.

Que eu possa perdoar a todos que me magoaram,
e fazer por eles uma oração de perdão.

Que eu lembre dos desesperados,
e faça por eles uma oração de esperança.

Que eu esqueça as tristezas do ano que termina,
e faça uma oração de alegria.

Que eu possa acreditar que o mundo ainda pode ser melhor,
e faça por ele uma oração de fé.

Obrigada Senhor
Por ter alimento,
quando tantos passam o ano com fome.

Por ter saúde,
quando tantos sofrem neste momento.

Por ter um lar,
quando tantos dormem nas ruas.

Por ser feliz,
quando tantos choram na solidão.

Por ter amor,
quantos tantos vivem no ódio.

Pela minha paz,
quando tantos vivem o horror da guerra.

FELIZ NATAL E UM ANO NOVO
NA PRESENÇA DO DEUS TODO PODEROSO
JESUS CRISTO, SENHOR E SALVADOR NOSSO!!!

Em Cristo,
***Lucy***

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...