Põe-me como selo sobre o teu coração, como selo sobre o teu braço, porque o amor é forte como a morte, e duro como a sepultura o ciúme; as suas brasas são brasas de fogo, com veementes labaredas. As muitas águas não podem apagar este amor, nem os rios afogá-lo; ainda que alguém desse todos os bens de sua casa pelo amor, certamente o desprezariam (Ct 8: 6-7; Fiel).

segunda-feira, 25 de março de 2013

"Amor" (Lucrécio)

O beijo - Gustavo Klimt
Enfim, no completo desejo,
na avidez espumante,

apertam-se, murmuram,
expiram os corpos dos amantes.

agarram-se, apertam-se, as
línguas úmidas tocando,

o caminho para o coração
do outro forçando,

em vão, pois apenas
pela costa navegam...

nos corpos, não penetram,
e além não chegam...

Outra vez, um no outro
sucumbem, mas barras
impenetráveis os dividem.

Todas as maneiras tentam,
e sem sucesso se diria

a cura da secreta ferida
do amor que não sacia.

De rerum natura

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...